Pássaros

Guia dos pássaros:

 

Agapornis


Este texto visa dar uma visão geral de como manter Agapornis em cativeiro.
É um pássaro fascinante, que apresenta cores fantásticas. Pode ser amansado, vivendo pacificamente no ombro de seu dono.
Este pássaro é conhecido popularmente como Agapornis, periquito-namorado, love-bird (pássaro do amor). Isto porque a vida entre o casal é harmoniosa, cheia de “beijocas” e carinhos o dia todo.
O Agapornis está assim classificado:

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psittaciformes
Família: Psittacidæ
Gênero: Agapornis
Espécies: A. roseicollis; A. nigrigenis; A. taranta; A. personata; A. cana; A. swinderniana; A. lilianæ; A. fischeri; A. pullaria.
É um pássaro pequeno, que atinge por volta de 15cm (variando pouco de espécie para espécie).
Como todo Psittacídeo, é um pássaro bem “barulhento” (eu, pelo menos, considero seu “barulho” como um belo canto). Fica andando pela gaiola o dia todo, fazendo “traquinagens”. Se o ambiente for grande, arrisca vôos entre os poleiros, mas prefere andar pelas malhas da gaiola para chegar ao poleiro.
Os Agapornis distribuem-se principalmente no continente africano, como A. cana, em Madagáscar; A. roseicollis, em Angola e Namíbia; A. personata, Tanzânia. Vivem em regiões secas relativamente arborizadas.
A fidelidade entre o casal não é apenas uma constante entre os Agapornis, mas entre todos os Psittacídeos. Este comportamento fica bem evidenciado na espécie A. cana, onde um imita o comportamento do outro o dia todo. Se criados pelo dono desde filhote, acostuma-se viver facilmente fora da gaiola, não sendo, na maioria das vezes, necessário cortar sua asa.
Não é um pássaro falante, como Araras, Cacatuas e Papagaios, mas aprende a balbuciar algumas palavras curtas e sons humanos.
Quando o pássaro é adquirido adulto pode mostrar-se assustadiço no primeiro contato. Mas com bastante paciência, afinco e amor podemos acostumar o pássaro à nossa presença e, pelo menos, fazer com que não se assuste e não se debata tanto na gaiola quando chegamos perto.
A única espécie que não é criada pelo homem é A. swinderniana, que não se adapta em cativeiro. Das outras oito, conhecemos várias mutações, que oferecem um colorido ímpar.
O dimorfismo sexual nos Agapornis é relativamente difícil. À exceção de A. cana, A. pullaria, A. taranta, que oferecem um dimorfismo seguro, as demais espécies só podem ser sexadas observando-se o espaçamento entre os ossos pélvicos: no macho, os ossos encontram-se bem unidos. Nas fêmeas, os ossos oferecem um espaçamento tal que conseguimos colocar nosso dedo indicador entre eles. Mas infelizmente esse método tem uma eficácia que não ultrapassa 30%.
O que torna ainda mais difícil a sexagem é que machos convivem bem entre si, assim como fêmeas. Esse comportamento pode nos enganar!
O método mais seguro é fazer exame de sangue, para comprovação de genótipo, mas infelizmente ainda é um método caro no Brasil.
Colocando dois pássaros na gaiola, você pode Ter por base o seguinte: se há a feitura do ninho mas a suposta fêmea não botar, pode se tratar de um macho. Mas o mais provável neste caso é que o ninho não seja confeccionado. Mas atenção: podemos Ter aqui dois casos. Primeiro, uma fêmea estéril; segundo, um macho experiente que confeccione bem o ninho. Se você notar que há postura de muitos ovos num certo período de tempo, então provavelmente se trate de duas fêmeas. Estas põe um ovo por dia.
Os filhotes tem cores mais esmaecidas que as do adulto. Geralmente, na primeira muda já adquirem coloração de adulto. O aconselhável é que a reprodução seja feita numa gaiola, contendo apenas um casal. Uma gaiola com dimensões aproximadas de 70x30x40 e um ninho de 20x17x17 servem bem ao nosso propósito. Se deixarmos os pássaros em ambiente comunitário, teremos dois problemas: a formação de casais indesejados e disputas pelo mesmo ninho.
O cortejo do macho é simples, seguido da cópula. A fêmea bota seus ovos geralmente de madrugada, bem no amanhecer. Cada ninhada pode ser composta por até 6 filhotes, mas o mais comum são 4. No Brasil verifiquei ovipostura o ano todo, mas principalmente na primavera e no verão. Já cheguei a tirar 6 crias anuais de um casal! Os ovos demoram 18 dias para a eclosão mas, por segurança você deve aguardar até o 21º dia. Não é necessário que separemos os ovos, a fim de eclodirem simultaneamente.

 


A fêmea de Agapornis é habituada a cuidar bem de filhotes com diferentes idades.Na fase reprodutiva é aconselhável que a alimentação seja reforçada, acrescentando-se um pouco mais de aveia à dieta, aumentando-se a variedade de frutas, legumes e verduras, e acrescentando-se suplemento vitamínico na água ou ração.
O melhor ambiente para os Agapornis é um ambiente sossegado. O sol pela manhã (até 11h00) é fundamental. É importante que sejam manejados sempre, para que se habituem à presença do dono, principalmente na época reprodutiva. Isto porque, caso precisemos mexer no ninho para verificar algo, não corramos o risco de a fêmea abandonar o choco.
O mais importante no manejo dos Agapornis é a alimentação. Há alguns anos muitas empresas têm dado atenção à alimentação das aves, formulando misturas balanceadas. Atualmente há rações extrusadas de excelente qualidade, que por serem embaladas e manuseadas por máquinas, estão livres de poeira, fungos e outras contaminações. Deve-se preferir esse tipo de ração. Em uma emergência, utilizo a seguinte mistura:
250g de aveia
250g de painço
250g de alpiste
125g de arroz com casca
100g de colza
100g de níger
100g de senha
100g de linhaça
100g de quirela média
Em outro comedouro, ponho girassol.


Quando tiver que comprar sementes soltas, verifique se o recipiente que as contém está tampado, e se há poeira nas sementes ao serem manuseadas. Caso tenha, evite comprar, pois as sementes ao ar pegam umidade (facilitando o desenvolvimento de fungos) e a poeira faz mal às aves.
Sou amante de todos os Psittacídeos, principalmente de Agapornis. Gostaria imensamente que o leitor enviasse opiniões, pois a troca de experiências é arma fundamental para o aumento dos conhecimentos.

 

 

 

 

 

 

 

Beija-flor:


Esta pequena e colorida “máquina de voar” a muitos encanta por seu brilho intenso e por seu comportamento curioso. O Beija-Flor pertence a família Trochilidae, onde estão incluídas mais de 300 espécies. Entre elas encontramos o Beija-Flor Abelha (Mellisuga helenae), originário de Cuba, que mede cerca de 6 cm de comprimento da ponta da cauda até a ponta de seu bico, sendo a menor ave do mundo. No outro extremo encontramos o Beija-Flor Cauda-de-Tesoura (Eupetomena macroura), um dos maiores do grupo, medindo cerca de 17 cm. Encontram-se distribuídos apenas na porção oeste do globo terrestre e habitam os mais diversos locais, de desertos a florestas úmidas e de regiões costeiras até as alturas da Cordilheira dos Andes.
O Beija-flor é o único capaz de voar para trás.
Características
O Beija-Flor é a única ave capaz de voar para trás, graças ao arranjo esquelético-muscular que possui. Chega a bater as asas mais de 70 vezes por segundo, conforme a espécie, podendo permanecer “parado no ar” em pleno vôo. Devido à velocidade com que bate suas asas, produz um som semelhante a um zumbido (humm), sendo por isso chamado Hummingbird, em inglês. O efeito fruta-cor de suas penas é obtido pela passagem de luz através das estruturas iridescentes presentes em suas penas.
“Parado no ar” em pleno vôo. Devido à velocidade com que bate suas asas, produz um som semelhante a um zumbido (humm), sendo por isso chamado Hummingbird, em inglês. O efeito fruta-cor de suas penas é obtido pela passagem de luz através das estruturas iridescentes presentes em suas penas.
Valem-se da velha máxima “tamanho não é documento”. São extremamente territorialistas, não se importando com o tamanho de seus adversários. Chegam literalmente a tomar conta de uma árvore ou fonte de alimento, dando rasantes e perseguindo quem adentrar seu território. São capazes de expulsar gaviões e outras aves maiores. Costumam permanecer sozinhos a maior parte do tempo. Normalmente são vistos aos pares apenas no período reprodutivo, quando realizam uma belíssima corte composta por sons e vôos acrobáticos.
Os machos apresentam coloração mais intensa do que as fêmeas e o comportamento de “mergulhar” no ar. Este mergulho em forma de “U” é utilizado pelos Beija-Flores machos durante a corte e também como impulso, para ganhar mais altura.
A fêmea é responsável pelas tarefas de construção do ninho, choco, alimentação e a proteção aos filhotes. Constrói o pequeno ninho nas forquilhas das árvores, utilizando líquens, musgos, folhas e painas, revestindo-os depois com teias de aranha, o que garante impermeabilização e resistência. O pequeno ninho de forma cilíndrica comporta dois pequenos ovos. Após 3 ou 4 semanas do nascimento, os filhotes já estão prontos para deixar o ninho.
Um Beija-flor se alimenta 10 a 15 vezes por hora
Alimentação
Por ser um animal de sangue quente (endotérmico), como qualquer outra ave, o Beija-Flor necessita de muita energia para manter sua temperatura corporal. Esta energia é obtida essencialmente do néctar das flores. Algumas espécies chegam a visitar cerca de 2000 flores por dia. Devido à quantidade de energia que necessitam para manter suas atividades físicas e metabólicas, um Beija-Flor se alimenta de 10 a 15 vezes por hora. Se ingeríssemos, proporcionalmente, a mesma quantidade de açúcar que o Beija-Flor necessita, entraríamos em coma diabético. Isto não ocorre com estas aves devido ao seu rápido e eficiente processo gastrointestinal de quebra e absorção de açúcares. Além do néctar, alimentam-se de pequenos insetos, aranhas e pólen, garantindo assim proteínas para suas estruturas musculares.
Para poupar energia durante a noite, o Beija-Flor reduz ao máximo seus batimentos cardíacos e sua temperatura corporal, entrando no chamado “estado de torpor”. É como se o Beija-Flor entrasse em uma curta hibernação. Ao amanhecer ele lentamente sai do estado de torpor, levando cerca de 20 minutos para despertar, e reinicia suas atividades normais.
O Uso do Açucar comum ou mel em bebedouros para Beija-flor é condenável.

Na natureza desempenham um importante papel na polinização das plantas. O tamanho e o formato do bico (mais ou menos curvo) podem variar em função do formato da flor que costumam visitar. Além do bico, os Beija-Flores contam com o auxílio de sua comprida língua para sugar o néctar das flores.
Têm preferência por flores vermelhas e amarelas, em especial as que o néctar possua mais sacarose do que outros açúcares. Os Beija-Flores possuem boa memória, podendo se lembrar de fontes de alimento de anos anteriores. Existem relatos científicos de Beija-Flores que visitaram por mais de 5 anos o mesmo alimentador.
O uso de açúcar comum ou mel em bebedouros para Beija-Flor é condenável, pois são produtos que fermentam rapidamente, podendo contaminar os pássaros com fungos que causam uma micose na boca e podem levá-los à morte.
A Alcon coloca no mercado o que há de mais moderno em alimentação para Beija-Flores. Alcon Club Beija-Flor Néctar é formulado com um mistura ideal de açúcares, muito atrativa e similar ao néctar encontrado na natureza. Apresenta rápida assimilação e transformação em energia. Trata-se de um produto estável cuja solução preparada no bebedouro pode permanecer disponível para os pássaros por até 5 dias, sem risco de fermentação ou contaminação por fungos e bactérias. Fornece também vitaminas necessárias à boa saúde dos pássaros e à resistência às doenças.
Além dos Beija-Flores atrai também outros pássaros como Saíras, Sanhaços e Cambacicas (ou Sebinho).
Traga um pouco mais de natureza para sua casa ou apartamento! Utilize Alcon Club Beija-Flor Néctar para apreciar estes magníficos visitantes coloridos!

Calafate


[Lonchura (Padda) oryzivora]
Conhecido também por Java Rice Finch ou Rice Sparow , o Calafate [ Lonchura (Padda) oryzivora ] é nativo das Ilhas de Bali e Java, na Indonésia. Foram introduzidos por marinheiros e viajantes em outros locais como Borneo, China, Japão, Ilhas Fidji, Malásia e Filipinas. Ávidos por arroz e aveia, eram considerados pragas agrícolas e exterminados aos milhares.

O nome Calafate vem de “calafetar”, atividade realizada pelos marinheiros que preenchiam as frestas dos barcos com estopa e piche, fechando-as bem. De forma semelhante faz o Calafate, que constrói seu ninho no formato de bola, bem vedado, com uma única abertura.

Possuem diversas variações de cores e penas muito sedosas. São ativos e curiosos e na natureza vivem em bandos. Sua coloração original é a cabeça preta e branca, com o restante do corpo em dois tons de cinza. Com os cruzamentos selecionados encontramos uma grande variedade de cores, incluindo pássaros inteiramente brancos. Podem chegar aos 15 cm de comprimento.

Reprodução:
Não é muito fácil a distinção entre machos e fêmeas pelo aspecto externo, porém os machos geralmente apresentam o bico e o contorno dos olhos mais vermelhos e também cantam, ao contrário das fêmeas.

Os Calafates formam um par para a vida toda. O macho constrói um ninho com fibras de coco, sisal, grama e outros materiais fibrosos, no formato de um túnel, onde a fêmea deposita de 4 a 7 ovos. Este ninho é construído dentro dos ninhos tipo caixa e o mesmo local é utilizado pelo casal nas próximas posturas. O período de incubação é de 15 dias em média. Após 1 mês os filhotes já saem do ninho, mas só começam a comer sozinhos uma semana após este evento.

Manutenção:
Os Calafates adoram banhar-se e esta atividade deve ser permitida diariamente para refrescá-los e deixar suas penas em boas condições. O banho relaciona-se também com o comportamento coletivo destes pássaros, pois quando um começa a banhar-se os outros o seguem.

A gaiola deve ser grande (mínimo de 70 cm de comprimento x 40 cm de largura e 30 cm de altura) para o casal e, se possível, possuir alguma planta ou camuflagem. Um ninho semelhante ao usado para Periquitos Australianos (20 x 20 x 20 cm) é recomendado. Mantê-los em local iluminado longe de correntes de ar e frio é muito importante já que são aves tropicais. Limpe sempre os recipientes de água e comida, bem como a gaiola.

Alimentação:
alcon Club Pássaros Exóticos, alcon Club Farinhada com Ovo para Canários, alcon Club Papa para Filhotes – Pássaros.

Canários


LOCAL DA CRIAÇÃO
Para iniciar uma pequena criação de canários, geralmente pode-se adaptar algum cômodo já existente na casa. De preferência, a acomodação deve ser provida de ampla (s) janela(s) devem ser protegidas por tela de malha fina para evitar a entrada de insetos e dispostas de madeiras a evitar a corrente de ar direta sobre as gaiolas, para prevenir o desenvolvimento de problemas respiratórios. Entretanto, é necessário que haja circulação de ar, o que pequenas aberturas junto ao forro, que facilitarão a saída do ar aquecido.
A previsão do número de casais deverá ser feita de acordo com as dimensões do criadouro, sempre tendo em mente que o mesmo também precisará acomodar os futuros filhotes e que superpopulação é uma das causas de insucesso na criação de pássaros.
GAIOLAS
As gaiolas indicadas para a criação de canários são de arame galvanizado com grade divisória removível e suportes externos para bebedouros e comedouros.
Existem no comércio diversos tipos de gaiolas e excelentes fabricantes. Antes de adquiri-las é recomendável fazer uma pesquisa cuidadosa para eleger o modelo mais conveniente, o melhor acabamento e preço, sendo interessante ouvir a opinião de criadores experientes. Feita a escolha, deve-se adquirir as gaiolas iguais e do mesmo fabricante, com a finalidade de padronizar o equipamento e facilitar o manuseio. Embora um pouco mais caro, deve-se adquirir para cada gaiola, uma grade – piso sobressalente que facilitará a limpeza.
São eles que, ao adquirirem seus primeiros exemplares, possibilitam aos criadores de categoria média a base financeira para que adquiram exemplares de grande categoria genética aos grandes criadores que por sua vez, obtêm condições para o aumentarem suas importações, finalizando a espiral do progresso.
Por isso, para esses verdadeiros propulsores dessa imensa máquina, selecionamos os conselhos de um técnico do gabarito do autor desse artigo que consideramos um dos mais bem elaborados e explicativos dos quantos que já apareceram através dos anos.
Os fundos das gaiolas (bandejas) devem ser forrados com papel absorvente (pode-se usar folhas de jornal) e sempre que houver acúmulo de desejos, troca-se a forração (dias alternados). Pelo menos duas vezes por semana as grades-pisso devem ser trocadas por outras limpas. As grades retiradas devem ser imersas em água por algumas horas, depois cuidadosamente esfregadas e lavadas e imersas novamente por algumas horas em solução desinfetante.
É preciso dispensar cuidados especiais também com os poleiros, que devem ser mantidos limpos e, se possível, trocados a cada duas semanas.
ACESSÓRIOS E UTENSÍLIOS
São muitos e variados os acessórios utensílios destinados a equipar as gaiolas de criação que podem ser encontrados no comércio. Deve-se evitar sobrecarregar as gaiolas com equipamentos muitas vezes supérfluos e que acabam dificultando a manutenção da higiêne.
Os melhores e mais práticos são os comedouros e bebedouros plásticos em forma de concha ou meia lua, usados no exterior da gaiola. Esses recipientes devem ser mantidos rigorosamente limpos, não admitindo-se que os bebedouros criem limo (algas) e os comedouros acumulem pó. Além da limpeza diária dos bebedouros, com pincel, escova e esponja, pelo menos uma vez por semana os mesmos devem ser mergulhados por algumas horas em solução de cloro (Quiboa, Cândida, etc…) e depois enxaguados em água corrente. Os comedouros destinados às sementes devem ser constantemente esvaziados para evitar o acúmulo de pó e podem ser trocadas para lavagem em espaços de tempos maiores.
Os canários precisam tomar banho frequentes e para isso pode-se adquirir banheiras plásticas de tamanho grande, mas que permita a sua passagem pelas portas das gaiolas.
Durante a época de criação deve-se fornecer aos casais, ninhos adequados, sendo muito usados os de plástico que são duráveis e de fácil higienização. Esses ninhos devem receber forros de flanela, corda ou feltro, comumente encontrados em lojas especializadas.
É boa prática trocar os ninhos quando os filhotes são anilhados e sempre usar ninhos limpos a cada nova ninhada.
Após a abertura dos olhos dos filhotes não convém manusear os ninhos, para evitar que os mesmos o abandonem prematuramente, causando sérios inconvenientes.
FORMAÇÃO DE PLANTEL
Como o objetivo da canaricultura é a quantidade, o criador inexperiente não deve iniciar sua criação com número muito grande de casais. Se a intenção for ter um ou dois casais, por passatempo, sem a preocupação com os resultados, qualquer casal serve, desde que seja saudável. Entretanto, se o objetivo for criar canários pensando em desenvolvimento técnico e em concursos, deve-se começar com casais de raça ou de cor de acordo com a preferência, mas de qualidade reconhecida. O criador deverá então filiar-se a um clube ornitológico que lhe possibilitará a compra de anilhas para registros oficiais, além de assistência técnica e convívio com muitos criadores.
Para conseguir bons pássaros é prudente visitar criadores de prestígio, que poderão dar valiosas orientações sobre os acasalamentos pretendidos e fornecer matrizes de qualidade técnica indiscutível.
Algumas regras já estabelecidas são importantes e devem ser lembradas na hora da compra.
• desconfie dos pássaros baratos pois geralmente são de qualidade inferior ou portadores de alguma afecção. É preferível começar com poucos casais de qualidade do que com muitos ruins;
• compre somente canários que tenham anilha e solicite do vendedor o seu “pedigree”.
• Não confie somente no seu “gosto” para avaliar um canário que deseja comprar. Certifique-se se ele está dentro dos padrões da cor ou de raça desejada. Se possível solicite os conselhos de um especialista e leia o Manual de Julgamento da Ordem Brasileira de Juízes de Ornitologia, inteirando-se das características dos pássaros devem possuir.
• Não compre exemplares fracos ou enfermos por melhor que seja se “pedigree” pois um pássaro nessas condições não será bom reprodutor;
• Lembre-se que um pássaro saudável é esperto e alegre. Sua barriga deve ser limpa e sem manchas, seus pés e dedos sem crostas ou tumurações e sua respiração silenciosa e sem chiado.
• Segundo o saudoso companheiro Carlos Gimenez “nem sempre um canário que obteve um primeiro lugar é o mais adequado para a criação.
Existem canários espetaculares em termos de plantel e criação que não teriam grandes chances numa mesa de julgamento, ou por terem o rabo aberto ou por estarem com a plumagem desarrumada, ou por estarem um pouco gordos quebrando assim a harmonia visual. Seria muito fácil se você comprasse o macho campeão e a fêmea campeã e acasalando-os, obtivesse o novo campeão.
Claro que os pássaros classificados em concursos devem possuir qualidades, mas também é muito importante a sua origem e potencialidades genéticas, o que justifica o ditado muito popular entre os canaricultures; “É preferível um pássaro razoável de uma excelente criação do que um pássaro excelente de uma criação razoável.”
ACASALAMENTO
Considerando-se as variações naturais da luz solar, anualmente ocorre um aumento gradual e contínuo do tempo de duração da luminosidade do dia, a partir de 21 de junho, alcançando o máximo em 21 de dezembro. Esse período considerado foto-período positivo, influencia o ciclo reprodutivo dos canários. Assim entre a segunda quinzena de julho e a primeira de agosto, em nosso hemisfério, e a época recomendada para iniciar os acasalamentos.
Os machos e as fêmeas deverão ser colocadas nas gaiolas de cria, separados pela grade divisória, para um período de adaptação, fornecendo-se às fêmeas o ninho e fios de estopa (desfiada ou em pedaços de 5 x 5 cm, presos nas gaiolas). Quando os pássaros começarem a trocar comida através da grade e a fêmea a confeccionar o ninho remove-se a grade divisória, sendo então bem menor a possibilidade de brigas geradas por incompatibilidade ou despreparo do casal.
POSTURA
A postura do primeiro ovo sucede de 6 a 8 dias após a primeira cópula e as posturas mais freqüentes são as de 3 e 4 ovos.
A canária normalmente põe os ovos em dias seguidos, mas em alguns casos podem ocorrer intervalos de um dia entre um ovo e o seguinte.
Nas primeiras horas da manhã ( 5 a 7hs) a canária realiza a postura e depois é coberta pelo macho, o que assegura a fecundação dos ovos posteriores. Por isso, não é conveniente entrar no criadouro muito cedo.
Todas as manhãs depois da 7 horas, os ovos recém postos devem ser retirados e substituídos por outros plásticos. Os ovos recolhidos devem ser colocados em recipiente com areia, algodão ou sementes esférica, (evitar sementes pontiagudas como alpiste, que podem perfurar a casca) e mantidos em temperatura ambiente. Após a postura do último ovo, que normalmente é de cor mais escura, os ovos devem voltar ao ninho, sendo este considerado o primeiro dia da encubação. A razão para que os filhotes nasçam mo mesmo dia e tenham a mesma oportunidade de desenvolvimento.
INCUBAÇÃO
Normalmente a incubação é de 13 dias e nesse período é conveniente que o ambiente seja tranqüilo e que as manipulações na gaiola sejam rápidas, evitando-se perturbar a canária.
Durante a incubação os ovos perdem água através da casca que é porosa e permite também intercâmbio de grades necessários para a vida do embrião. Nesse processo de “respiração do ovo” o vapor da água expelido deve ser reposto. Daí a necessidade, nesse período, de umidade relativa do ar mais elevada. As canárias por instinto regulam a umidade molhando suas penas, sendo conveniente colocar banheiras, particularmente ao final da incubação (3-4 dias antes do final) momento em que os ovos necessitam de maior umidade e menor temperatura para que os estímulos de eclosão sejam eficazes e os filhotes possam romper facilmente a casca (70-90% de umidade).
Se a fêmea não se banha é conveniente pulverizar os ninhos com água.
Em períodos de baixa umidade pode-se colocar esponja úmida no fundo da gaiola, embaixo do ninho.
Durante a incubação pode-se fazer o diagnóstico da fertilidade dos ovos a partir do 5º ou 6º dia, examinando-os por transparência através de um foco de luz e comprovando a existência do complexo embrionário. Para isso emprega-se um “ovoscópio” que consiste numa caixa contendo uma lâmpada no interior e um orifício sobre o qual se coloca o ovo.
Observando-se um ovo não fecundado, por esse método, a gema é perfeitamente distinguida, enquanto nos ovos fecundados, a partir do 3º ou 4º dia da incubação já não se distingue a gema, como se ela estivesse misturada com a clara.
Segundo Perez e Perez (Bases biológicas Y de aplicacion prática de la canaricultura), os ovos abortados constituem perigo pelas emanações que produzem, sobre os ovos normais, podendo estar a causa de fracasso da incubação. Por essa razão, esse autor recomenda a ovoscopia em dois períodos, aos 5-6 dias para descobrir ovos infecundados e aos 10-11 dias para eliminar os embriões mortos.
NASCIMENTO

Na maioria dos casos o nascimento se produz exatamente no 13º dia de incubação. Entretanto , se o nascimento não ocorrer dentro do previsto, deve-se Ter paciência e aguardar. Várias circunstâncias podem causar atraso. Há fêmeas que não chocam e saem do ninho com frequencia. A falta de umidade também podem influir. Não abra ou jogue fora um ovo pelo menos até o 15º dia de chôco e, mesmo assim, faça um teste de vitalidade.
Para isso coloca-se os ovos em um recipiente com água morna e aguardar-se alguns minutos. Se o embrião estiver vivo, o ovo flutuará com a ponta para baixo, ema vez que a câmara de ar ocupa o pólo mais largo e balançará ligeiramente. Os ovos abordados flutuarão de lado, sem movimentos pendulares, ou afundarão.
ANILHAMENTO
Para identificar as aves o sistema mais prático e seguro, consiste na colocação de anilhas nas pernas dos filhotes. A anilha é um anel de alumínio, fechada, inviolável, nas quais estão gravadas. As siglas da Federação e da Sociedade que as emitiu, o ano do nascimento, o número de ordem e o número do criador. Esta anilha é a identidade do pássaro , pois não saíra mais de sua perna, acompanhando-o por toda a vida.
Os pássaros para serem apresentados em Exposições e Concursos oficiais devem portar obrigatoriamente anilhas.
As anilhas são colocadas nos canários, com pouco dias de vida de 4 a 7, mas sempre tendo-se em conta o desenvolvimento ou que o pássaro a perca, se a manobra for realizada muito cedo.
O anilhamento é um processo delicado e as vezes é difícil, para o principiante. Deve ser feito sobre mesa forrada com papel, pois ao pegar os filhotes é comum que os mesmos defequem.
Para anilhar, toma-se o filhote com a mão esquerda, e com a direita o anel. Passa-se a anilha até o início da articulação.
Segura-se a ponta desses dedos e desloca-se a anilha através do dedo posterior, que deve estar no mesmo sentido da perna, fazendo com que o anel passe a perna.
Em seguida liberta-se o dedo posterior, desenganchando-o da anilha. Essa operação pode ser facilitada, untando-se os pés dos filhotes com vaselina ou outro lubrificante neutro.
SEPARAÇÃO DOS FILHOTES
A permanência no ninho até 20 dias é considerada normal. As ninhadas nutridas deixam o ninho entre 15 e 18 dias. Pouco dias depois, os filhotes começam a bicar os alimentos, principalmente a farinhada, frutas e verduras. Com um mês devem descansar e quebrar as sementes, podendo então ser separados dos pais.
Uma regra prática interessante é não separar os filhotes enquanto estes não percam as penugens da cabeça (espécie de pelos).
Normalmente, por volta do 25º dia, a fêmea inicia outro ciclo e começa a se preparar para a nova postura. Nesse período os pais podem depenas os filhotes em busca de material para confeccionar o novo ninho. Isto pode ser evitado, separando-se os filhotes dos pais pela grade divisória da gaiola e oferecendo ao casal material para a confecção do ninho. Os pais alimentam os filhotes pela grade, bastando para isso a colocação de poleiros baixos próximos à grade divisória, dos dois lados.
ALIMENTAÇÃO DOS FILHOTES
Deve-se oferecer aos pais alimentação farta e variada. A farinhada com ovo cozido deve ser administrada em pequenas quantidades e várias vezes ao dia.
Pode-se usar verduras como almeirão, chicória e couve, sempre muito bem lavadas e frescas, bem como maçã e jiló.
O uso de variedades de sementes também é importante. Além do alpiste, a aveia sem casca (especialmente na primeira semana) e o Niger devem ser oferecidos em comedouros separados. Alguns criadores costumam usar pão molhado na leite, com muita aceitação pelas fêmeas. O preparo é feito usando pão d’água, amanhecido, descascado e cortado em fatias que são mergulhados em água. As fatias intumescidas são espremidas e colocadas novamente na água, repetindo-se a operação várias vezes. Depois, mergulhadas em leite novamente espremidas e oferecidas aos pássaros.
Algumas canárias não alimentam ou alimentam mal os seus filhotes, apesar dos cuidados do criador. Nesses casos. Delille (ABC PRATIQUE DE IÉLEVURS DE CANARIES COULEURS) recomenda além da retirada do macho, oferecer água de beber fortemente açucarada por um dia e pedaços de maçã.
Outro recurso que pode ser usado, principalmente para as canárias que saem pouco do ninho, é retira-lo com os filhotes por alguns momentos. Essa manobra faz com que a fêmea se alimente e ao voltar ao ninho, acabe alimentando os filhotes.
É sempre interessante colocar-se várias fêmeas para chocar ao mesmo tempo, ainda que para isso seja preciso esperar alguns dias. Caso falhem todas as manobras para estimular uma fêmea preguiçosa a tratar sua ninhada, resta a possibilidade de distribuir os filhotes entre fêmeas que estejam tratando bem.
Alguns criadores costumam auxiliar as fêmeas, administrando alimentos pastosos no bico dos filhotes, prática essa que é condenada por outros.
Esse procedimento não deve ser usado o tempo todo, mas acreditamos que nos primeiros dias de vida é muito importante, pois permite administrar aos filhotes vitaminas e medicamentos eficientes no tratamento, por exemplo, da colibacilose, patologia responsável pela maioria das mortes no ninho. Além disso, auxilia o desenvolvimento inicial mantendo os filhotes em condições de se levantarem e pedirem alimentação as mães, aumentando o índice de sobrevivência.
As fórmulas das farinhas que devem ser misturadas ao ovo cozido e passado pela peneira para fazer a “farinhada” ou “farofa”, são muito variadas. Esse assunto é bastante polêmico e cada criador tem sua própria receita, guardada muitas vezes como grande segredo.
O objetivo final dessa farinhada é obter uma mistura com proporções adequadas de carboidratos, proteínas e gorduras, além de sais minerais e vitaminas, o que na maioria das vezes não é alcançados. Nas revistas e livros especializados encontra-se várias sugestões para o preparo dessas misturas.
Existem hoje no comércio, rações balanceadas e adequadas para serem usadas puras ou misturadas com o ovo. Que estão sendo usados por criadores de renome, com bons resultados.
Canários
Há mais de 5 séculos estes belos, coloridos e canoros pássaros, capazes de formar duetos e quartetos musicais, tem encantado milhares de pessoas no mundo todo.
São originários das Ilhas Canárias, localizadas na costa oeste da África, que curiosamente receberam este nome dos romanos não pelos Canários, mas devido aos cães ( canis em latim) de grande porte que ali habitavam. Acredita-se que os primeiros registros sobre Canários datem do ano 1402.
Muito utilizados pelos marinheiros como animal de estimação, os Canários conquistaram a Europa e o mundo rapidamente.
Antes da Revolução Industrial era comum a manutenção de Canários pelos artesões nas oficinas e lojas, como forma de entretenimento. Essa prática de manter os Canários no local de trabalho foi adotada também pelos mineiros de carvão, que os utilizavam como alarme, pois caso estes morressem dentro da mina era sinal de que havia vazamento de gás.
Da época do descobrimento do Canário selvagem ( Serinus canarius ), de cor verde acinzentada, até os dias de hoje, muito se fez através das criações seletivas.
Atualmente existem 4 agrupamentos de raças de Canários: Canários silvestres, Canários de cor, Canários de canto e Canários de porte ou postura.
Dentre os Canários silvestres, encontramos no Brasil o Canário-da-terra, assim chamado em oposição aos Canários-do-reino, trazidos pela corte portuguesa quando aqui se instalaram.
Em relação aos Canários de cor, existem hoje mais de 300 cores catalogadas, sendo agrupadas em: cores melânicas preto-castanho, melânicas castanho, lipocrômicas, ágatas e Isabel.
Já entre os Canários de canto, destacam-se algumas raças como a Harzer , também conhecida por Harz ou Belga de origem alemã, a Malinolis , descendente de Canários belgas da região de Flandres (cidade de Malines) e o Timbrado Espanhol, criado na Espanha desde 1700.
Canários de porte ou postura recebem esta designação devido à forma do corpo e a posição que adquirem no poleiro. Os Canários de porte dividem-se em Ingleses ( Norwich e Yorkshire ) e Frisados (do Norte e do Sul).

Reprodução:
O ciclo de reprodução dos Canários, da postura dos ovos até a saída do ninho, dura em torno de 30 dias. Neste período é importante o mínimo de perturbações possíveis, para não interferir nos processos biológicos envolvidos. A sexagem dos indivíduos se faz por observação da região anal. A diferença entre machos e fêmeas também pode ser percebida pela diferença do canto. Apesar de algumas fêmeas cantarem, seu canto não tem a mesma intensidade ou o volume do canto dos machos. A fêmea coloca 5 ovos em média (um por dia, na parte da manhã). O macho e a fêmea revezam o choco e o período de incubação é de cerca de 15 dias.

Manutenção:
Existem vários tipos de gaiolas para Canários: gaiolas para Canários cantores, gaiolas para criação e voadeiras. Para a manutenção de Canários em casa, é interessante a opção de uma gaiola de no mínimo 60 cm de comprimento, 30 cm de largura e 40 cm de altura, com comedouro, bebedouro, uma banheira rasa (2,5 a 3 cm em média) e alguns poleiros.
A limpeza é fundamental para a prevenção de doenças. Por isso, é interessante que a gaiola tenha uma bandeja removível que facilite o processo. Você pode optar por forrá-la com algum papel absorvente (tipo jornal) que deve ser trocado diariamente. Troque também a água diariamente e limpe os demais recipientes. Faça a desinfecção do bebedouro, comedouro, banheira e fundo da gaiola no mínimo duas vezes por semana. É interessante a retirada da banheira para evitar banhos à tarde. Evitar correntes de vento e locais úmidos e muito movimentados são cuidados que também auxiliam no bem estar destes canoros pássaros.

Alimentação:
alcon Club Canário , alcon Club Farinhada com Ovo para Canários, alcon Club Papa para Filhotes – Pássaros .

MANDARIM

Pertencente à Família Estrildidae , assim como outros “Finches” ou “Diamantes” (Diamante de Gould, Manon, etc.). O Mandarim, Poephila ( Taeniopygia ) guttata , é um pássaro de fácil adaptação que apresenta uma mistura de cores invejável.

Sua distribuição natural ocorre na Austrália e também nas ilhas da Indonésia, próximas à Bali. É um pássaro de fácil manutenção, fato que os torna muito populares em todo mundo.

Alegres e dóceis, os Mandarins são indicados para quem está começando a criar pássaros, por serem mais resistentes às doenças que outras espécies. Apesar de não adoecerem facilmente, os Mandarins podem vir a arrancar suas penas devido ao estresse causado por superlotação, falta de espaço para voar ou ainda pela falta de material para confecção do ninho.

Estes pequenos pássaros que podem viver até 15 anos, atingem 9 cm de comprimento e devem ser mantidos em duplas ou em bando. Não são pássaros para serem afagados ou acariciados, devendo a observação ser a atividade predominante para aqueles que os tem ou pretendem ter.

Reprodução:
Os machos possuem as patas e o bico de cor vermelho-alaranjado intenso. Apresentam ainda as “bochechas” de coloração diferente, sendo laranja a cor mais comum. Possuem listras pretas e brancas no peito, o que confere a eles o nome “Zebra Finch”. Nas fêmeas a cor do bico e das patas é mais clara e elas não apresentam as “bochechas” diferenciadas ou as listras no peito.

Os Mandarins são bons pais, não abandonam o ninho e defendem muito seus filhotes. Após 11 a 12 semanas de vida as fêmeas já estão prontas para reproduzir, porém não é aconselhável o acasalamento antes dos 6 meses de idade.

O macho constrói o ninho utilizando pequenos pedaços de barbantes, capim e algumas penas caídas no fundo da gaiola. As fêmeas colocam de 3 a 8 ovos, que poderão eclodir após 14 dias. Os pais revezam o choco. Aos 21 dias os filhotes já estão prontos para deixar o ninho e com 4 semanas de idade já podem se alimentar sozinhos.

Manutenção:
Para a manutenção do Mandarim, assim como para outros “Diamantes”, recomenda-se uma gaiola mais comprida do que necessariamente alta, com no mínimo 45 cm de comprimento por 30 cm de largura e 30 cm de altura. O ninho pode ser de madeira, com uma única entrada, com 15 cm de altura e 11 cm para os lados. Um comedouro e um bebedouro sempre bem limpos são muito importantes. Evite colocar a gaiola em locais com correntes de ar e escuros. O banho de sol pela manhã é fundamental, porém não os esqueça lá, pois, assim como os humanos, eles sentem calor bem rápido. Aproveite para permitir que os Mandarins se banhem em uma tigela com água, atividade que eles adoram.

Alimentação:
alcon Club Pássaros Exóticos , alcon Club Farinhada – Pássaros Frugívoros e Insetívoros , alcon Club Farinhada com Ovo para Canários , alcon Club Papa para Filhotes – Pássaros .

Periquito Australiano


O Periquito Australiano (Melopsittacus undulatus) foi descrito pela primeira vez em meados de 1700, no continente australiano, onde era conhecido pelos aborígenes (nativos da região) por betcherrygah que significa “boa comida”. Atualmente figura na lista das aves mais populares do mundo.

Levado para a Inglaterra por John Gould em 1840, esta pássaro logo se espalhou por toda a Europa, tornando-se grande sensação devido ao seu comportamento em cativeiro. É também chamado de Periquito Ondulado ou Periquito Zebrado. Sua fama chegou aos Estados Unidos em meados do século XIX. Esta fama quase os levou à extinção, devido à caça.

De sua coloração original, verde claro com cabeça amarelada, originaram-se várias mutações selecionadas. Hoje podemos encontrar mais de 200 variações de cores a partir do verde, do amarelo, do azul, do cinza e do branco, em três tipos de tons: o claro, o normal e o escuro.

Os ingleses fixaram uma mutação que ficou conhecida por Padrão Inglês, cujas principais diferenças são: cabeça mais volumosa, onde o bico fica escondido; tamanho do corpo maior; manchas pretas da garganta mais definidas. O tamanho médio do periquito australiano é de cerca de 17 cm, enquanto que o padrão inglês atinge 20 a 22 cm de comprimento. Os periquitos de maneira geral vivem em torno de 12 anos e, se forem ensinados desde cedo, são capazes de falar, como em alguns casos relatados, até 200 palavras. O aprendizado, porém, requer paciência e perseverança.

Reprodução:
Na grande maioria dos Periquitos Australianos, a diferença entre macho e fêmea é possível devido à coloração da “carúncula” ou “cera”, nome este dado à saliência encontrada logo acima do bico. Nos machos ela é azulada, coloração que se torna mais intensa no período reprodutivo. Já nas fêmeas a carúncula é rósea e em alguns casos bege claro, tornando-se bem marrom, semelhante ao chocolate, no período reprodutivo. As fêmeas colocam até 6 ovos por vez, sendo que o período de incubação gira em torno de 18 dias. Cerca de 30 dias após a eclosão dos ovos, os filhotes já estão prontos para comerem sozinhos.

Na natureza os Periquitos fazem seus ninhos em árvores de madeira macia, sem forração. Alguns criadores experientes aconselham a forração do ninho com serragem, sendo que esta, principalmente após a eclosão dos ovos, deve ser trocada por ficar muito suja.

Manutenção:
O tamanho mínimo de gaiola para um casal é de 70 cm x 30cm x 40 cm (comprimento x largura x altura), de preferência em arame galvanizado, por serem mais higiênicas e mais fáceis de serem limpas. Deve conter um ninho tipo caixa (11 cm x 11cm x 11 cm) com um fundo côncavo e uma porta que facilite a limpeza, além de um bebedouro, um comedouro e uma tigela para que possam tomar banho. A gaiola deve ser colocada em um local que não pegue correntes de vento, porém que não seja abafado e permita banhos de sol de pela manhã. A higiene é muito importante para a prevenção de doenças e para a manutenção do bem estar destes graciosos pássaros.

Alimentação:
alcon Club Periquito , alcon Club Farinhada com Ovo para Psitacídeos , alcon Club Papa para Filhotes – Psiacídeos .

 

CALOPSITAS:

 

Comportamento
As calopsitas são aves muito sociáveis brincalhonas que requerem atenção e afeto.
O seu comportamento é sua forma de comunicação, juntamente com sua voz, da mesma maneira que nós automaticamente usamos a linguagem corporal para nos comunicarmos.
Uma das mais evidentes formas de linguagem corporal que as calopsitas utilizam é o movimento de sua crista no topo de sua cabeça. Quando eles estão alarmados ou assustados eles tendem a esticar a sua crista (topete) bem alto, como um ser humano poderia elevar as suas sobrancelhas e arregalar os olhos quandoestá com medo.

Fique atento e tente perceber o que sua Calopsita esta tentando dizer:

Vale enaltecer que as calopsitas possuem personalidades únicas, diferentes hábitos e peculiaridades, por exemplo um caso que aconteceu conosco: em uma mesma ninhada existem duas fêmeas, uma delas aprendeu a receber alimento na colher e a outra se recusa a ser alimentada por nós, somente pelos pais…entre muitas outras coisas que só o dia a dia mostra.
São gestos sutis que devemos aprender a conhecer e somente pela observação entenderemos que elas só faltam mesmo falar…
Cores E Mutações
Cinza ou Normal (Normal Grey): Essa é variedade selvagem original, que se encontra na natureza, com o corpo cinza e a bordas das asas brancas. Os machos tem a crista e a cabeça amarela, a fêmea é cinza amarelado com a cabeça cinza. Ambos têm na cara manchas arredondadas na cor vermelha, sendo que as fêmeas tem o tom de vermelho mais suave. A cauda do macho é totalmente negra, já na fêmea intercala negro com amarelo na parte de baixo. Em ambos os sexos, os olhos são marrons e o bico cinza escuro, pernas e pés, cinza escuro.
A partir do padrão silvestre, surgiram muitas mutações que acabaram fixando alguns padrões de cores que destacaremos a seguir:
Canela (Cinnamon): As aves são semelhantes ao padrão normal, com exceção da alteração na coloração da melanina, produzindo uma coloração marrom-claro (ou canela). Também as pernas e os olhos são de coloração mais clara. Os machos adultos são um pouco mais escuros que as fêmeas (em razão da maior presença de melanina). Algumas fêmeas podem ter mais amarelo na face do que os machos, além de apresentarem o barramento típico sob as asas da cauda.
Pérola: Mutação que afeta as penas individualmente (há uma falta de melanina no centro de cada pena, individualmente), fazendo com que haja uma falta de coloração uniforme, resultando em penas com coloração em forma de concha. De modo geral, mostram as duas manchas laterais à cabeça, as faces são amarelas salpicadas de cinza, e a crista amarela riscada de cinza. As penas das costas exibem um padrão escamado, resultante da ausência de melanina no seu centro, podendo a cor desta parte das penas variar do branco ao amarelo. As penas das asas são cinza, com faixas amarelas. A cauda é amarela, e o peito e a barriga, listrados de amarelo e cinza. As fêmeas carregam o perolado nas costas, asas, nuca e cabeça, com uma concentração maior nas costas. Os machos adultos podem perder totalmente o perolado, principalmente na cabeça e na nuca.
Lutino: O mais popular e apreciado, são pássaros de cor dominante branca, com olhos vermelhos, pés rosados, crista amarela, bico marfim, cabeça amarelada com bochechas vermelhas. Nas asas e na cauda, também está presente o amarelo. Os exemplares podem apresentar desde um amarelo forte até um branco quase total no corpo. Neste padrão ocorre um defeito de origem genética, caracterizado pela existência de uma área sem penas localizada atrás da cabeça. Fêmea com estrias amarelas na face inferior da cauda e spots amarelos embaixo da asa.
Arlequim: Mutação que causa alteração ou disrupção da coloração normal em áreas randômicas. Esse padrão é muito variável e se apresenta em aves bastantes semelhantes ao normal, até aquelas com poucas áreas de cor cinza, predominando o amarelo claro e apenas algumas penas de coloração cinza. Nota-se que a cabeça exibe um amarelo forte, bochechas bem vermelhas e crista amarela. Idealmente, uma arlequim deve mostrar 75% de penas com ausência de melanina e 25% com presença de melanina. Um arlequim puro tem, idealmente, uma máscara limpa, sem manchas cinzas, uma cauda limpa e penas de vôo com cores balanceadamente iguais nas asas, com simetria perfeita. Existem 4 classificações reconhecidas de arlequim: Arlequim claro (ou light, com 75% ou mais de melanina), escuro (ou heavy, com apenas 25% de melanina), reverso (ou reverse, com manchas apenas nas penas de vôo, tendo o restante do corpo sem melanina) e limpo (ou clear, um pássaro totalmente amarelo ou branco; é também conhecido como lutino de olhos pretos).
Cara branca (Whiteface): Essa mutação causa perda do pigmento psitacina (que confere tons amarelo e laranja), causando a falta da pigmentação laranja e amarela nas bochechas e no corpo. A fêmea tem o corpo cinza, bordas das asas brancas e face interior da cauda com estrias pretas e brancas não apresentando a bochecha, tornando a face inteiramente cinza. O macho segue um padrão parecido com o normal, porém com a face totalmente branca e as cores cinzas com um tom mais escuro, crista cinza e bordas das asas brancas.
Fulvo (Fallow): Semelhante ao canela (também há mudança da coloração da melanina de preto para marrom), mas aqui também ocorre uma diminuição da densidade da melanina, fazendo com que pareçam um canela pálido. O amarelo é mais pronunciado (principalmente embaixo do corpo e crista), olhos são vermelhos e peito é de coloração mostarda ou creme. As fêmeas costumam ser mais bonitas que os machos, por apresentarem cores mais brilhantes. Os sexos são praticamente iguais, tornando-se mais difícil a identificação.
Albino (Whiteface Lutino): Ave inteiramente branca, com os olhos vermelhos e pés rosados, com ausência total de qualquer pigmentação (na realidade, resultam da combinacao de duas mutações: lutino e cara branca). As fêmeas são mais fáceis de ser encontradas, por ser um padrão com herança ligada ao sexo.
Cara amarela (Yellowface ou Yellowcheek): São em tudo semelhantes aos demais padrões, diferindo apenas na cor das bochechas, que, ao invés de serem vermelhas, mostram-se amarelas. A principal diferença entre os sexos é o amarelo da bochecha, que é mais forte no macho. Há três formas dessa mutação (como ocorre com o padrão prata): a dominante simples-fator, a dominante duplo-fator e a recessiva.
Pastel (Pastel face): Apesar de conferir a mesma coloração, o padrão Pastel não deve ser confundido com o cara amarela. Essa é uma mutação sutil, que promove um tom mais brando de todas as cores. Externamente é em tudo semelhante ao cara amarela, mas tem herança genética autossômica recessiva, o que facilita e acelera as combinações entre os padrões, principalmente com aqueles de herança ligada ao sexo. É dominante apenas para o padrão cara branca. Também aqui ocorre duas formas: fator-simples e fator-duplo.
Prata Dominante: São aves que apresentam a cor cinza do padrão normal diluída, mostrando um tom pastel prateado. Os olhos e pernas são pretos, as pernas cinzas, mantendo o amarelo forte das faces e da crista e o vermelho das bochechas, com um prateado mais escuro na região do pescoço. A graduação do prateado varia de ave para ave, sendo a cor dos machos mais brilhante e intensa. A diferenciação entre os sexos pode ser feita do mesmo modo que o padrão normal. Nesta mutação, os genes produzem dois efeitos visuais diferentes, caso ocorram como fator simples ou duplo. Aves fator-duplo são mais claras que as fator-simples, parecendo lutinos, mas com um tom acinzentado; eles retém a marcação mais escura na cabeça, olhos e pés escuros.
Oliva ou Esmeralda (Olive ou Spangle ou Emerald Green)
Se caracteriza, basicamente, por uma coloração canela-esverdeada, podendo variar de claro a escuro, e um padrão de marcação das penas muito característico (que as pessoas denominam padrão de lantejoulas, ou spangled no inglês).
Platinum: Há uma confusão com relação a esse nome, uma vez que na América do Norte chamam de Platinum aves prata dominante. Essa mutação se caracteriza por uma coloração “cinza-fumaça” clara (como eles mesmos definem: smokey-grey), com asas e cauda cinza mais escuro. Bico, pés e pernas são bege-claro Os olhos são vermelhos ao nascer, mas escurecem logo em seguida.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Origem Da Calopsita
Originária da Austrália onde podem ser vistas na natureza, a Calopsita é a menor da família das Cacatuas. Seu nome científico é Nynphicus hollandicus que significa ‘Deusa da Nova Holanda” nome da Austrália até 1804. Em 1838, John Gould, ornitólogo inglês, autor bem sucedido de livros sobre história natural, visitou a Austrália objetivando conhecer sua fauna, até então pouco conhecida e realizar ilustrações de aves. Foi a partir de seu retorno em 1840, através dos livros e ilustrações divulgadas, que o público teve sua atenção chamada para a beleza das aves daquele continente, especialmente a Calopsita. Ainda é creditado a este pesquisador o fato de ter sido a primeira pessoa a levar Calopsitas para fora da Austrália, contribuindo decisivamente para a divulgação da espécie.
Por volta de 1884, a Calopsita já se encontrava bem estabelecida nos aviários europeus, entretanto, como na natureza só existia um padrão de cor, a disseminação maciça dessa ave somente ocorreu a partir da primeira mutação, era o Arlequim, pouco antes de 1950. A partir daí, outros padrões de cores foram surgindo, ganhando então a Calopsita, enorme popularidade, sendo hoje um dos pássaros mais criados do mundo.
É o pássaro perfeito e o mais indicado para quem quer uma relação mais íntima com uma ave. São divertidos e leais ao bando, do qual o dono passa a fazer parte.

Alimentação Das Calopsitas Na Época Reprodutiva
Na época da postura devem ser oferecidos alimentos (grande variedade) em abundância, pois a quantidade de alimento disponível faz com que o casal se sinta seguro para a postura e não precise procurar alimento fora da gaiola. Se sentem alguma necessidade (ou escassez) o casal altera o seu comportamento reprodutivo (andam desesperados de um lado para outro da gaiola, gritam quando os potes estão meio vazios), reduzindo assim o número de ovos, pois a preocupação é como conseguirão alimentar tantos filhotes? Para não correr esse risco, ofereça ovos, milho verde (cozido), pão seco, além das sementes descritas no item Alimentação. Uma boa dica é oferecer osso de siba e pedra de cálcio, pois permite que as aves satisfaçam suas necessidades digestivas e carência de cálcio das fêmeas durante a postura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Postura

Sua postura varia de 4 a 10 ovos, com intervalos entre eles de cerca de dois dias. A incubação vai de 17 a 22 dias e os ovos medem de 2 a 3 cm. O macho ajuda a fêmea no processo todo, desde o choco até cuidar dos filhotes.
Nem sempre todos os ovos estão galados, após alguns é possível descobrir quais estão fertilizados e quais não estão com uma ovoscopia, que basicamente é colocar o ovo contra a luz para ver se a luz transpassa o ovo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Filhotes De Calopsita
Os pais revezam-se constantemente durante a incubação, e também em conjunto cuidam dos filhotes após o nascimento. Os filhotes são ocultados pelos pais durante os primeiros 10 dias, porém, certifique-se de que os filhotes estão sendo alimentados,normalmente os pais conseguem cuidar sozinhos de seus filhotes, sendo suficiente oferecer os alimentos adequados, porém, às vezes isto não acontece. Então você mesmo poderá alimentá-los. Isto requer paciência e carinho, mas traz resultados bastante gratificantes e é justamente por isso que você deverá ficar atento se os pais estão ou não os alimentando.( veja a página Alimentando filhotes)
Nesta sequência de fotos vamos ver o desenvolvimento de um filhote desde o dia do nascimento, até ele estar totalmente emplumado!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Problemas Reprodutivos
Um dos problemas reprodutivos mais graves é o ovo preso, que é a inabilidade de uma fêmea em expelir o ovo pela cloaca. As causas mais comuns para este problema são:
• fêmea muito jovem tentando botar seu primeiro ovo
• falta de cálcio na dieta
• falta de vitaminas e minerais
• obesidade
• disfunção no trato reprodutivo
• excesso de reprodução
As deficiências nutricionais podem fazer com que a ave produza ovos com a camada externa menos dura e maior do que o normal, ou ovos de formatos anormais. A camada externa macia faz com que os músculos do ovário e da cloaca não consigam empurrar o ovo adiante, além disso, os músculos dessa região também podem ficar fracos por falta de uma dieta adequada, não conseguindo contrair de modo eficaz e expelir o ovo.
Os sintomas de um quadro de ovo preso são:
• pássaro sentado no chão da gaiola
• sentado sobre a cauda
• pernas estendidas e rabo batendo
• distensão abdominal
• esforço continuado e respiração difícil
• falta de fezes e penas eriçadas
O ovo preso também pode afetar os nervos que controlam a musculatura da perna, impossibilitando que a Calopsita fique empoleirada. Em razão do esforço prolongado, a ave também fica fraca, exausta e pode até entrar em choque.
O tratamento nestes casos requer ajuda médica, que em primeiro lugar irá recorrer a técnicas não cirúrgicas (como injeção de cálcio e hormônio diretamente no fêmur, promovendo contração muscular) ou retirada do ovo através de cirurgia.
É importante que você nunca tente retirar ou quebrar o ovo, pois isso pode ser fatal! Leve sua ave ao Veterinário o mais rápido possível, pois somente ele pode socorrer sua ave com segurança.